Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BURRO VELHO

BURRO VELHO

29
Jun23

Dos filmes de que eu gosto - Uma réstia de esperança

BURRO VELHO

WhatsApp Image 2023-06-28 at 20.02.14.jpeg

 

Quando sem contar fazes um zapping e encontras um filme com uma história familiar pacata, um trio de atores de primeiríssima água (Annette Bening, Bill Nighy e Josh O'Connor, que luxo) e a paisagem costeira do sudoeste de Inglaterra - há filmes que não são extraordinários mas quando os descobrimos são uma pérola fantastica. Na TV Cine.

 

28
Jun23

Das minhas músicas - 10.000 Maniacs

BURRO VELHO

 

Em THESE ARE DAYS Natalie Merchant, a vocalista dos 10.000 Maniacs, canta a alegria e o medo, a alegria de quem se sente abençoado por viver dias bons, e o medo que estes dias lhe fujam, a alegria de se agarrar a estes dias bons e o medo de não os voltar a ter:

Estes são dias que recordarás

Nunca antes e nunca mais

Prometo

Será o mundo tão acolhedor

E se assim o sentires

Saberás que é verdade

Que é abençoado e tens sorte

É verdade que tu

Foste tocado por algo

Que vai crescer e florescer em ti

 

 

27
Jun23

Dos meus livros - Cuidado com o Cão, de Rodrigo Guedes de Carvalho

BURRO VELHO

WhatsApp Image 2023-06-25 at 12.55.36.jpeg

 

Escrito na pandemia e com os traumas de quem a relatou todos os dias na nossa televisão, demorei a conectar-me com o livro, andei ali arrastado até à página 115, aí deu-se um click e senti uma necessidade imensa de o ler sem parar, até que por volta da 315 deu-se outro click e todas as pontas se juntaram, lendo até ao fim, sem parar mas já sem pressa, esta belíssima história sobre a morte e redenção, num tom onírico (‘que se assemelha ao sonho’) muito bonito e comovente, talvez aquilo a que chamam realismo mágico.

“Um dia contigo ou um dia sem ti”, que é como quem diz, dou tudo para voltar a ter um só dia contigo, ou se impossível dou tudo para ter um só dia sem ti, em que não estejas permanentemente dentro do meu pensamento, em que os dias e noites voltem a ser leves.

Há quase 20 anos li do mesmo autor ‘A casa quieta’ e ‘Mulher em branco’, apesar de ter gostado francamente deixei de lado Rodrigo Guedes de Carvalho estes anos todos, e não fosse ter tido a sorte de me terem oferecido este CUIDADO COM O CÃO e provavelmente não o teria lido, muito obrigado.

 

25
Jun23

Das lendas ainda vivas - Sofia Loren

BURRO VELHO

 

Sofia Loren foi sem dúvida alguma uma das maiores lendas do cinema nos anos 60 e é uma das poucas ainda viva, tem 88 anos e em 2020 o seu filho Edoardo realizou um belíssimo filme para Sofia se despedir dos ecrans - "Uma vida à sua frente".

Não só encanta como também canta, lindamente, e toda ela é sensualidade, talvez mesmo a rainha da sensualidade, aqui na maravilhosa cena Mambo Italiano, num filme de 1955 ("Pão, amor e ...") ao lado de Vitorio de Sicca, que delícia. 

Lunga vita Signora Loren.

 

24
Jun23

Das pessoas que admiro - Isabel Moreira

BURRO VELHO

Screenshot_20230622-234425_Gallery.jpg

 

Concordo em absoluto com Isabel Moreira quando afirma que há diferenças profundas entre a esquerda e a direita e é salutar o confronto e a discussão entre ambas, e não comungando eu da sua visão económica da sociedade, reconheço em si o melhor do que há na política em Portugal, vertical, séria, trabalhadora, bem preparada, combativa, com sentido democrático e impoluta, não me recordando de alguma vez a ter visto a fazer fretes descarados ao partido ou ao primeiro-ministro defendendo o indefensável, quando não concorda ou se cala ou deixa passar a sua mensagem de fininho, mas nunca em modo de disco riscado a repetir insanidades que vemos amiúde naquela bancada parlamentar.

O seu feitio intrépido, assumido pela própria em várias entrevistas, talvez lhe retire o perfil para funções executivas ao nível ministerial, mas agradeço-lhe profundamente por estar na política e por em muito ter contribuído para alguns dos nossos grandes avanços civilizacionais, espero que por lá continue por muitos e bons anos.

Um grande bem-haja Isabel.

 

23
Jun23

Da atualidade - o jornalismo e o submersível que afundou

BURRO VELHO

Screenshot_20230623-083640_Gallery.jpg

 

Nos últimos dias foi amoral vermos as honras de primeiras páginas dos jornais e das aberturas dos telejornais, que foi dada ao submersível que desapareceu numa viagem ao fundo do mar, em detrimento e por comparação com outro barco que também afundou ao largo da costa grega, este com aproximadamente 700 pessoas, das quais umas centenas terão morrido.

O jornalismo tem um papel fundamental em qualquer sociedade e um jornalismo sério e credível não deve confundir o essencial, a notícia é seguramente a história daqueles imigrantes, que se viram obrigados a fugir dos seus países de origem, arriscar as suas vidas, e agora serem de novo deportados para trás, a notícia não devia ser a história de cinco pessoas milionárias, que por sua conta e risco, e muita vaidade, resolveram meter-se numa caranguejola pelo atlântico adentro, há aqui uma clara inversão da importância e da função da notícia que é triste e preocupante.

Mas numa altura em que ninguém compra jornais, em que ninguém dá valor ao preço da notícia, e quando todos nós preferimos ouvir falar sobre as manobras e hipóteses teóricas de salvamento dos multimilionários - estarão vivos ou mortos? Quem são eles? Quanto pagaram por cada bilhete? -, é mesmo razoável esperar que os jornais e televisões, com os cofres vazios e sob a ditadura do lucro do acionista, privilegiem a ética e o rigor e desperdicem audiências e leitores garantidos?

 

22
Jun23

Da atualidade política - Luís Montenegro

BURRO VELHO

Screenshot_20230621-141817_Gallery.jpg

 

Há um senhor chamado Joaquim Pinto Moreira que já foi presidente da câmara de Espinho, deputado do PSD e é amigo pessoal do candidato a primeiro-ministro Luís Montenegro, também ele da cidade de Espinho.

Ora, quando foi constituído arguido no caso Vortex, muito genericamente por umas maroscas muito manhosas com dinheiros e contratos lá por aquelas bandas, o senhor entendeu que não devia continuar a ser deputado na Assembleia da República, mas lá pensou melhor e achou que bom bom, sem avisar ninguém, era voltar a ser deputado da Nação – até aqui a história já não é bonita, mas só implicava o senhor ex-presidente e ex-deputado e a justiça que se pronunciasse, se possível rapidamente.

Mas não é que Luís Montenegro, depois da suposta surpresa e respetiva retirada da confiança política ao seu amigo, também pensou e achou que bom bom era que Pinto Moreira representasse o PSD nas Comissões Parlamentares da Defesa e da Saúde, mas calma, não nos precipitemos nos maus juízos, diz-nos Montenegro que não há aqui incoerência nenhuma, que ter assento nessas Comissões é um direito do senhor que já foi, deixou de ser e voltou a ser deputado, e, nada do que vier a ser por si defendido representa o PSD, que o senhor Pinto Moreira em nada representa o partido, exceto o facto de o PSD o ter nomeado enquanto deputado das suas fileiras.

Este episódio não é, aparentemente, uma das piores falhas de Luís Montenegro, mas não consegue acertar uma. A malta bem queria ter uma alternativa a Costa e ao seu Governo de faz-de-conta, mas really? Luís Montenegro? É fraquinho demais - ó gente social-democrata, deixem-se de seguidismos e falsos ‘politicamente corretos’ e vejam lá se lhe dão corda aos sapatos urgentemente, o país precisa dum PSD à séria.

 

21
Jun23

Do lado do bem - seleção de futebol da Nova Zelândia

BURRO VELHO

WhatsApp Image 2023-06-20 at 21.20.12.jpeg

 

A Nova Zelândia não risca nada no mundo do futebol, mas dá o exemplo e o mote no campeonato dos direitos humanos: durante um jogo amigável com o Catar - curiosamente dirigido pelo nosso conhecido Carlos Queiroz, que a troco dos dólares cataris desvalorizou o sucedido -, um jogador neozelandês sofreu um insulto racista de um adversário, e face à passividade da equipa da arbitragem, após o intervalo a sua seleção recusou-se continuar a jogar.

O país que vê o Sol nascer primeiro todos os dias, está a mostrar ao mundo qual o caminho para combater o racismo, e parece que a FIFA dá sinais positivos nesse sentido, não se pode ignorar o racismo, não basta dizer que não se é racista, não basta não o ser, é preciso combatê-lo empenhadamente, e se algum jogador ou adepto profere insultos racistas, então a sua equipa tem de ser penalizada, tem de passar a jogar à porta fechada, pagar multas ou, é preciso dizê-lo, perder os jogos.

Não ao racismo e bem-haja à Nova Zelândia.

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub