Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BURRO VELHO

BURRO VELHO

14
Set23

Dos meus livros - Baiôa sem data para morrer, de Rui Couceiro

BURRO VELHO

WhatsApp Image 2023-09-10 at 20.09.08.jpeg

 

A enorme dependência de que hoje em dia, eu próprio e sucessivas gerações, temos dos smartphones, o medo e a solidão que nos assalta quando damos conta dessa necessidade de estarmos sempre a olhar para um écran, o apelo a uma maior lentidão e distanciamento na vida que levamos, tudo isso é o mote desta história com a qual sinto grande afinidade, e por isso, pelas recomendações altamente elogiosas que me chegaram via redes sociais, e até por achar piada a alguns tiques de escrita do autor, por tudo isso achei que ia gostar deste ‘Baiôa sem data para morrer’, mas tal não aconteceu.

Até há uma ideia, mas na minha opinião é uma escrita muito vaidosa, que quer ser onírica e bonita à força mas que enrola e enrola, muito redonda, com palavras caras e sempre empenhada em nos convencer que o autor tem um grande domínio, quer de vocabulário (ou talvez da técnica de consultar dicionários), quer de figuras de estilo cheias de criatividade, que prefere aporia a dificuldade, flagício a ignomínia, sabença a sabedoria, olvido a esquecimento, ou a morte procedeu à eliminação de mais um ser vivo a um simples morreu, e para mim esta teimosia em nos querer impressionar em cada linha tornou-se algo aborrecido e cansativo.

Pensei várias vezes em desistir, mas a curiosidade levou-me sempre a persistir, e até fui apreciando algumas partes ali e acolá, mas no global não me conquistou.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub