Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BURRO VELHO

BURRO VELHO

10
Mai23

Dos filmes de que eu gosto - Saint Omer

BURRO VELHO

SaintOmer

 

A estreante, em ficção, realizadora francesa Alice Diop, ela própria descendente de imigrantes senegaleses e consagrada por fazer documentários, muitos deles sobre imigrantes nos banlieu parisienses, fez este filme-quase documentário baseado no julgamento verídico de uma imigrante senegalesa, julgamento esse que a própria Diop assistiu e que há alguns anos terá, compreensivelmente, agitado as terras de França, afinal uma mãe tinha matado a sua própria bebé.

O filme passa-se, nas suas quase duas, horas dentro do tribunal - alguns dos diálogos são transcrições literais do que foi efetivamente lá dito - e duma forma serena, mas ao mesmo tempo emocionalmente muito forte, e sem nos explicar tudo, fala-nos da monstruosidade sem explicação que existe dentro do ser humano, da necessidade de procurarmos compreender antes de uma condenação sumária, fala-nos dos mistérios e dos medos da maternidade, da saúde mental e de bruxarias (sorcelleries, aprendi esta palavra), fala-nos do quão difícil é ser imigrante e do racismo fortemente enraizado (pasme-se que a jovem fala irrepreensivelmente francês e, ousadia a sua, enquanto estudante de filosofia decidiu estudar o filósofo austríaco Wittengstein, que nada tem a ver com as suas origens), fala-nos sobretudo da compaixão e da empatia humana de que tanto precisamos.

Nota para as muito sólidas personagens secundárias, mas impossível não destacar as atrizes principais (incluindo as notáveis juíza e advogada de defesa, mulheres).

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub