Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BURRO VELHO

BURRO VELHO

26
Mai23

Dos filmes de que gosto - Mal Viver + Viver Mal

BURRO VELHO

MalViver

vivermal

 

Canijo fez dois filmes baseados numa ideia que tem lá no seu íntimo, que as mães atrofiam os filhos, sobretudo as filhas, e por sua vez estas atrofiam as suas filhas, netas das primeiras, mães eucalipto, que secam tudo à sua volta e deixam as filhas áridas, inseguras, ansiosas, filhas que não recebem amor e que depois nada têm para dar como mães, até podem tentar mas não sabem como.

Este retrato desencantado e agreste da maternidade não é fofo, é agressivo, trágico até, mas são quatro horas de grande mestria (para quem, como eu, os viu de seguida), de diálogos, vidas, conversas sempre cruzadas, onde no meio de tanta dureza ainda conseguimos nos rir com o absurdo da vida.

O filme é rodado na íntegra num hotel em Ofir, e só o hotel é só por si uma personagem, aquele ambiente tão anos 70, os quartos, a piscina, os balneários, o restaurante, a sala de tv, personagem muito valorizada pela luz do filme, sombria e negra no ‘Mal Viver’, solarenga no ‘Viver Mal’ (excelente trabalho da Leonor Teles), mas as personagens de pele e osso são insuperáveis, qualquer coisa, e se a Anabela Moreira é das minhas atrizes rainha, tal como Rita Blanco, apetecia-me destacar a Cleia Almeida de quem gosto imenso e acho muito subvalorizada, mas depois como não bater palmas à Leonor Silveira, ou à talvez melhor de todas Beatriz Batarda, todas umas megeras, todas chanfradas dos cornos, todas maravilhosas (tal como a Vera Barreto, Madalena Almeida, Filipa Areosa, Lia Carvalho, Carolina Amaral e Nuno Lopes).

Talvez o meu Canijo preferido continue a ser ‘Sangue do meu Sangue’, mas ‘Viver Mal’ e ‘Mal Viver’, premiado no Festival de Cinema de Berlim deste ano, são um prodigioso jogo de espelhos saltitando entre os dois filmes, absolutamente fantásticos.

E para quem anda distraído, ouçam com atenção o que a Piedade (Anabela Moreira) diz às hóspedes sobre os vinhos de Portalegre, mais concretamente da Serra de São Mamede, vinhos alentejanos de altitude, de um Alentejo diferente, depois não digam que não vos avisei.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub